Atualizado: 24/09/2014 16:18 | Por Julia Affonso, estadao.com.br

 

Linha 6 do Metrô já provoca valorização de até 30% em imóveis da zona norte

Obras ainda não começaram, mas o mercado imobiliário já registra aumento da procura e elevação de preços nos bairros que serão beneficiados

Felipe Rau/Estadão

SÃO PAULO - As obras da Linha 6 - laranja do Metrô, em São Paulo mal começaram, mas já começaram a mexer com os preços dos imóveis das regiões ao longo do trajeto. Corretores de imobiliárias ouvidos pelo Estado confirmam a valorização dos imóveis especialmente na Freguesia do Ó, Morro Grande e Brasilândia, com alta de até 30%. 

“Já estamos sentindo as pressões de valorização”, afirma o vice-presidente de Assuntos Legislativos e Urbanismo Metropolitano do Sindicato da Habitação (Secovi-SP), Ricardo Yazbek. Segundo ele, a valorização pode se estender em um raio de até 600 metros da estação do metrô.

Segundo especialistas do mercado imobiliário, a chegada metrô costuma provocar valorização dos imóveis por até dez anos após a inauguração das estações.

O canteiro de obras da nova linha já foi instalado na avenida Santa Marina próximo à Marginal do Tietê, na zona Norte. As obras já deveriam ter sido iniciadas, mas enfrentam questionamentos na justiça.

“São Paulo tem 7 milhões de veículos licenciados e 11 milhões de habitantes, e cada vez mais as pessoas se preocupam em buscar imóveis que estejam próximos a linhas de transporte”, afirma Yazbek.

A linha 6 - Laranja irá da estação São Joaquim, no bairro da Liberdade, até a Brasilândia, na Zona Norte. Passará pela Bela Vista, região central da capital, Higienópolis, Perdizes e Pompéia. Segundo o presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis de São Paulo (Creci-SP), José Augusto Viana Neto, a tendência é que não haja valorização dos imóveis em Higienópolis. “O preço já é muito alto e parte dos moradores não estavam querendo o metrô.”

Em 2011, quando o trajeto da linha foi anunciado, reclamações de moradores que não queriam uma estação no bairro motivaram protestos de grupos favoráveis ao metrô.

A corretora Joana Boaventura afirma que o aumento do preço dos imóveis na Freguesia do Ó, desde o anúncio da chegada do metrô este ano, foi de 20% e o metro quadrado, hoje, custa cerca de R$ 2.500. Para o corretor Vicente Navarro, a valorização trouxe problemas. “Para nós, está até mais difícil negociar. Avaliamos com um preço, mas o proprietário quer mais, por causa da nova linha do metrô.”

Na capital, os preços do mercado imobiliário estão subindo de forma 'mais comportada', segundo Yazbek. Entre 2007 e 2011, a aceleração foi grande e teve seu pico. “De 2011 para 2014, o aumento está próximo da inflação. Mas não houve queda de preço.”

O metro quadrado paulista é o segundo mais caro do Brasil. Ele fica atrás de imóveis nas Avenidas Delfim Moreira e Vieira Souto, no Leblon e em Ipanema, respectivamente, no Rio de Janeiro, onde o metro quadrado mais caro pode custar cerca de R$ 55 mil. 

No bairro da Vila Nova Conceição e em algumas ruas dos Jardins e de Higienópolis, o metro quadrado chega a ser avaliado em cerca de R$ 30 mil. Alguns bairros da zona norte, Parelheiros e Guaianases têm a área mais barata da cidade: entre R$ 2.500 e R$ 3 mil por metro quadrado. A média da capital fica em R$ 7.500.

"Há um desejo natural das pessoas de procurar locais que tenham infraestrutura, que possa fazer vida na cidade mais fácil. Um bairro que tenha padaria, comércio, serviço, educação e saúde no entorno é mais valorizado, pela comodidade", explica Yazbek.

Sete passos para investir em um imóvel:

- Converse detalhadamente com seus familiares e faça as contas. Não comprometa mais do que 30% da renda familiar com o pagamento das prestações do imóvel.

- Procure saber o tempo que a incorporadora/construtora atua no mercado, quantos empreendimentos ela desenvolveu, construiu e entregou. Pesquise o padrão de qualidade de seus produtos, serviços e atendimento. Consulte os órgãos de defesa do consumidor.

- Informe-se quanto às modalidades de financiamento bancário, entre eles os programas de incentivo à aquisição do imóvel promovidos pelos governos Municipal, Estadual e Federal.

- Veja se poderá usar recursos do FGTS.

- Vá aos lançamentos imobiliários, visite estandes de venda e decorados, converse com corretores.

- Leia com muita atenção o Compromisso de Compra e Venda antes de assiná-lo. Se for possível, consulte um advogado especializado em mercado imobiliário.

- Faça uma reserva financeira para pagar o ITBI (imposto de Transmissão de Bens Imóveis) e o registro de cartório.

 

Estadão

 

volte à REVISTA MUSICAL veja o nosso CURRÍCULO COMUNITÁRIO