Sacolinhas Plásticas (versos) Necessidades

A decisão do senhor prefeito Fernando Haddad proibindo a distribuição das sacolinhas plásticas nos supermercados mostra que há uma pressão dos políticos para essa decisão.

Será que os vereadores da nossa cidade, têm a mínima noção de como são transportados os produtos adquiridos nos supermercados, principalmente os varejistas eventuais? Aqueles que são comprados de última hora? Por necessidade de atendimento de urgência?

Certamente não conhecem o sufoco que uma pessoa tem para carregar uma caixa de dez quilos com cinco produtos do supermercado em uma condução como é a nossa de São Paulo?

As pessoas que podem transportar nos carrinhos diretos para seus carros, não terão dificuldades para o transporte, mas, o pobre, que mora na periferia ou mesmo no centro da cidade, esse será penalizado pela nova lei de proibição das sacolinhas plásticas.

Há alguma coisa no ar com essa nova lei, não é a preocupação com o meio-ambiente, mas, é o poder econômico que “está falando mais alto”.

Lembram-se do “sufoco” que foi na época da lei em São Paulo dos “kits de primeiros socorros”? Houve uma corrida “desenfreada” às farmácias, aos estabelecimentos que vendiam aqueles tipos de produtos. As autoridades pressionaram a população e muitos foram multados por não possuírem o tal “kit”. Hoje muitos não se lembram daquela situação “vexatória”.

Será que essa é mais uma lei que vai criar riqueza para alguns políticos e empresários, que desejam ver a população prejudicada com mais uma lei que certamente cairá no esquecimento e voltar como aconteceu?

Com a proibição das sacolinhas plásticas, haverá uma diminuição de compras nos supermercados, em consequência disso, haverá desemprego nas indústrias de sacolinhas plásticas. O prejuízo será enorme em nossa cidade de São Paulo. O governo vai perder muito dinheiro de impostos. O planeta não vai pegar fogo pela distribuição das sacolinhas plásticas. Os peixes não vão morrer por ingerirem sacolinhas plásticas se os nossos vereadores criarem leis que possam destinar o descarte das sacolinhas usadas e inutilizadas.

A ideia da multa para quem desobedecer a lei é mais uma forma de pressionar a população.

Há solução para as sacolinhas plásticas, procurar o autor dessa lei e ver quais são as relações de interesses com relação à nova lei.

Jayme Pereira da Silva

São Paulo, 14 de novembro de 2014