QUANDO E ONDE VAMOS PARAR?!

 

   A mídia escrita, falada e televisionada não para de divulgar e reportar, todo dia, em todos os seus noticiosos, os tradicionais jornais matinais, do meio dia, do horário nobre e noturno, a sujeira que “rola” no âmbito da administração pública, do nosso país! Agora, além do “mensalão” que volta a pauta do Supremo, são “propinas” que estão em destaque! Elas existem ha muitas décadas, apenas ninguém havia se lembrado de pô-las em evidência!

   Marcos Valério era o personagem portador das "mesadas" que, salvo engano, tinham o BMG como depositário. Curiosa e estranhamento o BMG patrocina atualmente vários clubes de futebol em vários estados!

   Por incrível que pareça, também nos segmentos jurídico e religioso, embora discretamente, o que não justifica, têm sido noticiados deslizes de magistrados e “pastores” de vários dogmas. Seriam os novos tempos ou reflexos da importância do chamado “vil metais”, em nosso contexto social?

   Por outro lado, quando as coisas acontecem nas altas esferas, têm mais espaço na mídia, a execração é maior, porém os personagens, aqueles chamados de “colarinho branco”, têm mais regalias que os pobres coitados da classe média baixa e do proletariado, os integrantes do sofrido “povão”... Posto isso, nos preocupa a impunidade, a burocracia que, permite o excesso de recursos que, postergam as decisões judiciais, enquanto os réus "deitam e rolam" no contexto bagunçado do nosso dia-a-dia!

   Para tentar atenuar o efeito da corrupção no âmbito administrativo é importante que providenciem, com urgência, a atualização do código penal, a informatização da justiça e principalmente a ampliação do sistema carcerário. Essas precariedades passam ao delinquente certa sensação de impunidade, mormente àqueles de paletó e gravata que dispõem de bons advogados, recursos mil e em alguns casos, cárcere privilegiado!


   Sobre a bandidagem, torno a repetir, que para tentar conter a escalada desenfreada da criminalidade do dia-a-dia em todo território nacional, a única solução de efeito positivo em curto prazo é a PENA DE MORTE, proposta pelo saudoso
 Amaral Neto, pois como dizem as más línguas, “quem tem... tem medo”!

  Se os “carolas” rejeitarem a ideia, por que não expô-la a um referendo popular? Afinal “Vox populi, vox Dei”!

   Quanto aos que eventualmente forem executados equivocadamente certamente estavam em dia, hora e local errados, como já aconteceu em todo país que adota a salvadora "pena de morte"!

   Então senhores, façam uma reflexão! Já que reina a impunidade, a única saída é torcer para que nossos homens públicos passem a exercer o patriotismo, ou teremos que fazer “vistas grossas” e fazer de conta que estamos num mar de rosas.


Eduardo Monteiro 
Jornalista MTb 21.275