– Cobradores:

Não há uma especificação no edital, mas o secretário Sergio Avelleda acredita que em três anos não haja mais estes profissionais no sistema de ônibus da cidade de São Paulo.

“Os cálculos é que saem 2,5% dos cobradores do sistema por mês, por diversos motivos. O que vai o ocorrer é que não haverá reposição destes cobradores. Depois de 35 meses, será possível zerar. Abrem vagas em outros setores das empresas, como motorista, mecânico, funileiro, etc. Em vez de buscar no mercado, as empresas vão oferecer estas vagas para os cobradores” – disse Avelleda.

Ainda sobre os custos, o secretário disse que a economia será menor porque haverá mais qualidade na frota. “Não tem como melhorar a qualidade sem incremento de custo”, afirmou.

Os Cobradores são Auxiliares dos Motoristas de ônibus.

Um ônibus carregando 200 passageiros com apenas um “responsável pela segurança dos passageiros” o motorista.

Isso é um absurdo. O Cobrador não é só recebedor de valores...

E se houver um “acidente” ou mesmo um imprevisto mecânico o motorista é obrigado resolver sozinho? Nas ruas estreitas de São Paulo?

A segurança do passageiro que sobe ou desce, mesmo cadeirantes, como o motorista tem que ajudar a movimentação? 

A ideia de cancelar a função de cobradores já foi motivo de minhas manifestações. (Contra a lei do vereador Antonio Carlos Rodrigues que hoje está preso por corrupção)

Estão querendo economizar em transporte, “desumanizando o transporte”.

A conversa de que vai melhor o transporte “já é antiga, já vimos esse filme”.

Quanto às mudanças propostas pela Licitação, devem-se considerar as experiências adquiridas ao longo dos últimos percursos, não criar novos caminhos. Regionalizar as operações das linhas atuais.

Jayme Pereira da Silva

jaymensagens@globo.com

São Paulo, 16/março/2018 – 18h40